Tráfico & Traficantes na ilegalidade: o comércio proibido de escravos para o Brasil (c.1831-1850)
Quem eram os traficantes de africanos escra­vizados? Como se dava a sua particip­­a­­ção no negócio nefasto de compra e venda de seres hu­manos. Qual a sua inserção na sociedade? Depois das manifestações do Black Lives Matter após o assassinato de George Floyd, nos EUA, e da derrubada da estátua do traficante Edward Colston, em Bristol, na Inglaterra, em 2020, tais perguntas estão na ordem do dia. E sendo o Brasil a principal nação escravista das Américas, respon­sável pela importação de mais de cinco milhões de africanos em mais de 300 anos de tráfico, as respostas tornam-se ainda mais urgentes. Os capítulos de Tráfico e traficantes na ilegalidade aju­dam a responder essas questões. Outras obras haviam estudado as redes de traficantes na América lusa e no Brasil independente. Mas o livro que o leitor tem em mãos avança em relação a esses trabalhos pioneiros. O escopo geo­grá­fico (Sudeste e Nordeste) corresponde às duas prin­cipais zonas brasileiras desse tráfico. De Per­nam­buco, da Bahia e do Rio de Janeiro, a coletânea lança luz sobre as trajetórias de alguns desses perso­nagens até os mais altos postos da hierarquia negreira. O período escolhido, o século XIX, também corresponde a um momento crítico da história do Brasil. Foi nesse período que traficantes cons­truí­ram os principais estratagemas para burlar a repres­são inglesa. Depois de 15 anos do aprendizado da ilegalidade? (1815-1830), quando o tráfico ao norte do Equador já era ilegal, organizou-se o esquema criminoso nacional que permitiu a continuidade do comércio transatlântico de africanos escravizados por pelo menos 19 anos (1831-1850) e, em alguns casos, além. Os textos falam ainda de outros temas. Por exemplo, a construção de portos clandestinos por onde chegaram milhares de africanos todos os anos; as trajetórias de ascensão econômica e social dos participantes desse infame comércio e os invest­i­mentos oriundos desse dinheiro em outras ativida­des, uma abordagem, aliás, que a historiografia bra­si­leira precisa enfrentar com mais firmeza. O livro mescla autores já consolidados na história da escravidão com uma nova geração de pesquisadores. A partir do mergulho em fontes, tanto clássicas como inéditas, nacionais e inter­nacionais, garimpadas em arquivos e repo­sitó­rios on-line, os capítulos fornecem novos dados sobre a configuração de impérios negreiros no Brasil. Se uma estrutura burocrática foi neces­sária para o sucesso do contrabando de africanos, não menos importante foi a participação dos principais interessados os cafeicultores do Vale do Paraíba e a açucarocracia do nordeste. Por sinal, diante da ênfase historiográfica recente sobre o esquema criminoso de desembarque de africanos nas regiões cafeeiras do sudeste, os arti­gos que tratam do tráfico para o nordeste são bem-vindos, oferecendo ao leitor outras perspec­ti­vas sobre esse comércio. A obra se engaja, ainda, com os debates sobre a Segunda Escravidão, mas os textos reduzem a escala de análise, sem perder de vista os acontecimentos em escala transnacional. Um excelente exercício de história social e de micro-história. Além do indiscutível valor historiográfico, Tráfico e traficantes na ilegalidade também ofere­ce importante contribuição social. O crescente interesse nesses indivíduos aponta como a socie­dade brasileira ainda necessita compreender me­lhor suas trajetórias. A coletânea fala sobre histó­ria, mas também sobre memória e, mais especificamente, sobre as memórias da escravi­dão. A obra fala sobre o passado, mas também fala bastante sobre o presente. Um presente que continua a nos assombrar.
Detalhes
Ano de Edição2021
AutorLuiz Fernando Saraiva
Números de Páginas244

Tráfico & Traficantes na ilegalidade: o comércio proibido de escravos para o Brasil (c.1831-1850)

  • Editora HUCITEC
  • ISBN: 9786586039887
  • Ano de Edição: 2021
  • Autor: Luiz Fernando Saraiva
  • Números de Páginas: 244
  • Disponibilidade: Em estoque
  • R$ 56,00
  • ASSOCIADO R$ 47,60
  • Sem impostos: R$ 56,00