Chimamanda Ngozi Adichie ainda se lembra exatamente do dia em que a chamaram de feminista pela primeira vez. Foi durante uma discussão com seu amigo de infância Okoloma. "Não era um elogio. ?Percebi pelo tom da voz dele; era como se dissesse: Você apoia o terrorismo!?." Apesar do tom de desaprovação de Okoloma, Adichie abraçou o termo e - em resposta àqueles que lhe diziam que feministas são infelizes porque nunca se casaram, que são "antiafricanas" e que odeiam homens e maquiagem - começou a se intitular uma "feminista feliz e africana que não odeia homens, e que gosta de usar batom e salto alto para si mesma, e não para os homens". Neste ensaio preciso e revelador, Adichie parte de sua experiência pessoal de mulher e nigeriana para mostrar que muito ainda precisa ser feito até que alcancemos a igualdade de gênero. Segundo ela, tal igualdade diz respeito a todos, homens e mulheres, pois será libertadora para todos: meninas poderão assumir sua identidade, ignorando a expectativa alheia, mas também os meninos poderão crescer livres, sem ter que se enquadrar em estereótipos de masculinidade.
LIVRARIA
Ano de Ed 2015
Autor CHIMAMANDA NGOZI ADICHIE
Números de Páginas 64P.

SEJAMOS TODOS FEMINISTAS

LIVRARIA
Ano de Ed 2015
Autor CHIMAMANDA NGOZI ADICHIE
Números de Páginas 64P.
  • R$ 19,90

Associados

R$ 13,93