ARQUIVO DE UM SEQUESTRO JURÍDICO PSIQUIÁTRICO: O CASO JUVENAL
Na manhã de 29.05.1968 no Sítio Morada Nova, o acusado desfechou, utilizando uma roçadeira, violentos ferimentos na pessoa de seu próprio irmão?, narrava a denúncia do Ministério Público. O acusado era Juvenal Raimundo de Araújo, talvez Juvenal Raimundo da Silva. Não se sabia ao certo nem o nome dele porque recusava-se a falar, não apresentava documentos civis e era louco. Por ter cometido um ato violento, foi confinado em um manicômio psiquiátrico, sob a justificativa de tratamento, e nunca mais voltou à liberdade. Permaneceu na clausura por 46 anos. Essa não é uma história de ficção. É uma história de injustiça analisada neste livro, que inaugura a coleção Bioética e Saúde. Juvenal foi o homem que mais tempo ficou confinado em um manicômio judiciário no Brasil, abandonado à espera de uma decisão oficial sobre sua experiência, banido do convívio social e do reconhecimento de direitos. Se a Justiça considera 30 anos como pena máxima para prisão, o que aconteceu ali durante todo esse tempo? A autora buscou responder a essa pergunta ao analisar o dossiê de Juvenal, sob a guarda do manicômio judiciário. Ela se debruçou sobre o arquivo para realizar uma análise das práticas discursivas de saber e poder sobre Juvenal. Seu estudo revela o funcionamento da máquina de abandono que confiscou a existência de Juvenal.
Detalhes
Ano de Edição2018
AutorLUCIANA BRITO
Números de Páginas124P

ARQUIVO DE UM SEQUESTRO JURÍDICO PSIQUIÁTRICO: O CASO JUVENAL

  • Editora FIOCRUZ
  • ISBN: 9788575415573
  • Ano de Edição: 2018
  • Autor: LUCIANA BRITO
  • Números de Páginas: 124P
  • Disponibilidade: Em estoque
  • R$ 28,00
  • ASSOCIADO R$ 23,80
  • Sem impostos: R$ 28,00